24 janeiro 2008

DEFICIÊNCIAS...


"Deficiente" é aquele que não consegue modificar sua vida, aceitando as imposições de outras pessoas ou da sociedade em que vive, sem ter consciência de que é dono do seu destino.


"Louco" é quem não procura ser feliz com o que possui.


"Cego" é aquele que não vê seu próximo morrer de frio, de fome, de miséria, e só tem olhos para seus míseros problemas e pequenas dores.


"Surdo" é aquele que não tem tempo de ouvir um desabafo de um amigo, ou o apelo de um irmão. Pois está sempre apressado para o trabalho e quer garantir seus tostões no fim do mês.


"Mudo" é aquele que não consegue falar o que sente e se esconde por trás da máscara da hipocrisia.


"Paralítico" é quem não consegue andar na direção daqueles que precisam de sua ajuda.


"Diabético" é quem não consegue ser doce.


"Anão" é quem não sabe deixar o amor crescer. E, finalmente, a pior das deficiências é ser miserável, pois:


"Miseráveis" são todos que não conseguem falar com Deus.


"A amizade é um amor que nunca morre."


Mario Quintana

Viver não dói!


Definitivo, como tudo o que é simples. Nossa dor não advém das coisas vividas, mas das coisas que foram sonhadas e não se cumpriram. Por que sofremos tanto por amor?


O certo seria a gente não sofrer, apenas agradecer por termos conhecido uma pessoa tão bacana, que gerou em nós um sentimento intenso e que nos fez companhia por um tempo razoável, um tempo feliz. Sofremos por quê?


Porque automaticamente esquecemos o que foi desfrutado e passamos a sofrer pelas nossas projeções irrealizadas, por todas as cidades que gostaríamos de ter conhecido ao lado do nosso amor e não conhecemos, por todos os filhos que gostaríamos de ter tido junto e não tivemos, por todos os shows e livros e silêncios que gostaríamos de ter compartilhado, e não compartilhamos. Por todos os beijos cancelados, pela eternidade.


Sofremos não porque nosso trabalho é desgastante e paga pouco, mas por todas as horas livres que deixamos de ter para ir ao cinema, para conversar com um amigo, para nadar, para namorar.


Sofremos não porque nossa mãe é impaciente conosco, mas por todos os momentos em que poderíamos estar confidenciando a ela nossas mais profundas angústias se ela estivesse interessada em nos compreender. Sofremos não porque nosso time perdeu, mas pela euforia sufocada.


Sofremos não porque envelhecemos, mas porque o futuro está sendo confiscado de nós, impedindo assim que mil aventuras nos aconteçam, todas aquelas com as quais sonhamos e nunca chegamos a experimentar.Como aliviar a dor do que não foi vivido? A resposta é simples como um verso: Se iludindo menos e vivendo mais!!


A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida está no amor que não damos, nas forças que não usamos, na prudência egoísta que nada arrisca, e que, esquivando-se do sofrimento, perdemos também a felicidade..


A dor é inevitável. O sofrimento é opcional.


(Carlos Drummond de Andrade)

17 janeiro 2008

Hora da Limpeza...


A FAXINA

Estava precisando fazer uma faxina em mim...
Jogar alguns pensamentos indesejados fora,
lavar alguns tesouros que andavam meio que enferrujados...

Então tirei do fundo das gavetas lembranças que não uso e não quero mais!
Joguei fora alguns sonhos, algumas ilusões...
Papéis de presentes que nunca usei, sorrisos que nunca dei;
joguei fora a raiva e o rancor das flores murchas que estavam dentro de um livro que nunca li.

Olhei para meus sorrisos futuros e minhas alegrias pretendidas,
e as coloquei num cantinho, bem arrumadinhas.

Fiquei sem paciência!

Tirei tudo de dentro do armário e fui jogando no chão:
Paixões escondidas, desejos reprimidos, palavras horríveis que nunca queria ter dito,
mágoas de um amigo, lembranças de um dia triste...

Mas, lá também, havia outras coisas... e belas!!!

Um passarinho cantando na minha janela...
Fui me encantando e me distraindo, olhando para cada uma daquelas lembranças...
Aquela lua cor de prata, o pôr do sol...

Sentei no chão para poder fazer minhas escolhas...

Joguei direto no saco de lixo os restos de um amor que me magoou.
Peguei palavras de raiva e de dor que estavam na prateleira de cima, pois quase não as uso, e também joguei fora no mesmo instante!
Outras coisas que ainda me magoam, coloquei num canto para depois ver o que farei com elas; se as esqueço lá mesmo ou se as envio para o lixão.

Aí fui naquele cantinho, naquela gaveta que a gente guarda tudo o que é mais importante:
O amor, a alegria, os sorrisos, um dedinho de fé para os momentos que mais precisamos...

Como foi bom relembrar tudo aquilo!!!

Recolhi com carinho o amor encontrado, dobrei direitinho os desejos, coloquei perfume na esperança, passei um paninho na prateleira das minhas metas, deixei-as à mostra, para não perdê-las de vista.

Coloquei nas prateleiras de baixo algumas lembranças da infância,
na gaveta de cima as da minha juventude e
pendurado bem à minha frente, coloquei a minha capacidade de AMAR...

E principalmente de RECOMEÇAR!!!
(Autor desconhecido)

Valores...

video

O Tempo...

video

Não às Armas!

video

Vamos Tentar?!


RECOMEÇAR
Não importa onde você parou, em que momento da vida você cansou,o que importa é que sempre é possível e necessário “Recomeçar”.
Recomeçar é dar uma nova chance a si mesmo. E renovar as esperanças na vidae o mais importante: acreditar em você de novo.
Sofreu muito nesse período? Foi aprendizado.Chorou muito? Foi limpeza da alma.Ficou com raiva das pessoas? Foi para perdoá-las um dia.Sentiu-se só por diversas vezes? E por que fechaste a porta até para os outros.Acreditou que tudo estava perdido? Era o início da tua melhora.
Pois é agora é hora de iniciar, de pensar na luz,de encontrar prazer nas coisas simples de novo.
Olha quanto desafio. Quanta coisa nova nesse mundãode meu Deus te esperando. Está se sentindo sozinho ? Besteira!Tem tanta gente que você afastou com o seu “período de isolamento”,tem tanta gente esperando apenas um sorriso teu para “chegar” perto de você.
Quando nos trancamos na tristeza nem nós mesmos nos suportamos.Ficamos horríveis. O mau humor vai comendo nosso fígado,até a boca ficar amarga.
Recomeçar! Hoje é um bom dia para começar novos desafios.Onde você quer chegar? Ir alto. Sonhe alto, queira o melhor do melhor,queira coisas boas para a vida. Pensamentos assim trazem para nósaquilo que desejamos. Se pensarmos pequeno, coisas pequenas teremos.Já se desejarmos fortemente o melhor e principalmente lutarmos pelo melhor,o melhor vai se instalar na nossa vida.
E é hoje o dia da Faxina Mental. Joga fora tudo que te prende ao passado,ao mundinho de coisas tristes, toda aquela tranqueira que guardamosquando nos julgamos apaixonados. Jogue tudo fora. Mas, principalmente,esvazie seu coração. Fique pronto para a vida, para um novo amor.Lembre-se somos apaixonáveis, somos sempre capazes de amarmuitas e muitas vezes. Afinal de contas, somos o Amor.
“Porque sou do tamanho daquilo que vejo, e não do tamanho da minha altura.”

Carlos Drumond de Andrade

Como Águia!


Renovação - Quem não precisa dela?

A águia é a ave que possui a maior longevidade da espécie. Chega a viver 70 anos. Mas para chegar a essa idade, ela tem que tomar uma séria e difícil decisão.

Aos 40 anos ela está com:As unhas compridas e flexíveis, não conseguem mais agarrarem as suas presas das quais se alimenta. O bico alongado e pontiagudo se curva apontando contra o peito. As asas estão envelhecidas e pesadas em função da grossura das penas, e voar já é tão difícil!Então a águia só tem duas alternativas:Morrer,Ou enfrentar um doloroso processo de renovação que irá durar 150 dias.

Esse processo consiste em voar para o alto de uma montanha e se recolher em um ninho próximo a um paredão onde ela não necessite voar. Então, após encontrar esse lugar, a águia começa a bater com o bico em uma parede até conseguir arrancá-lo. Após arrancá-lo, espera nascer um novo bico, com o qual vai depois arrancar suas unhas. Quando as novas unhas começarem a nascer, ela passa a arrancar as velhas penas. E só após cinco meses sai para o famoso vôo de renovação e para viver então mais 30 anos.

"E em nossas vidas, a renovação não é tão diferente... Reflita como você está:

As suas unhas não estão compridas demais, ou seja, não se julga suficientemente capaz de realizar algo e que na verdade precisa de uma reciclagem? Às vezes, está correndo pra lá e pra cá sem conseguir "agarrar" o seu próprio objetivo.

Falta-lhe algo...E o bico? Ora poderá ser representado pela sua incapacidade de tolerância e rápido demais para responder e até mesmo "machucar" outras pessoas...

As asas são suas próprias forças, que não mais vislumbra a motivação de estar trabalhando, lutando, compartilhando e buscando grandes metas. Acabam lhe impedindo de continuar a viver, mesmo sem perceber!

O que prefere? Deixar morrer sua força e esperar que o tempo responda o que fazer e o vento o leve para algum lugar? Ou buscar renovação interna e reestruturar sua vida? E, não pense que se renovar será tão fácil e diferente do processo de uma águia. É duro, temos de admitir muitas das nossas fraquezas, até mesmo para outras pessoas. É necessário arrancarmos também a soberania e o superego que tanto atrapalha nesta fase.

Assim, partimos para a reciclagem de idéias, e até mesmo de posturas. Às vezes, são pequenas coisas que estão atrapalhando a renovação como se desprender de lembranças, costumes e outras tradições que nos causaram dor. Inove, aceite novas idéias...

Desprenda do peso do passado, esqueça pequenos ou grandes deslizes e aproveite o resultado maravilhoso que uma renovação sempre traz.

"O progresso é impossível sem que haja mudanças, e aqueles que não podem mudar a sua mente, nada mais poderão mudar." George Bernard Shaw

Cruz Pesada...


Deus, é muito pesado... Por favor reduza um pouco para mim...





Deus, por favor corte mais um pedaço, Assim eu poderei levar melhor.



Deus, obrigado por isso...



Usaremos isto como uma ponte para atravessar

Ahh! é muito curto eu não vou conseguir atravessar...


Qualquer que seja a sua cruz,
qualquer que seja a sua dor,
sempre haverá o Sol
depois da chuva...
Talvez você pode tropeçar,
e até mesmo cair,
mas Deus sempre está pronto
para atender a sua chamada...
Ele conhece todas as suas preocupações,
vê todas as suas lágrimas.
Uma palavra dos lábios Dele,
pode acalmar o seu coração...
Suas tristezas podem prolongar por toda a noite,
mas de repente desaparece,
na luz do amanhecer...
O Salvador está te esperando,
para lhe dar a Sua graça,
e lhe enviar o Seu amor...
Qualquer que seja a sua cruz,
qualquer que seja a sua dor,
" Deus sempre enviará o arco-íris...
depois da chuva..."
(Autor desconhecido)
Justificados, pois, mediante a fé, temos paz com Deus por meio de nosso Senhor Jesus Cristo; por intermédio de quem obtivemos igualmente acesso, pela fé, a esta graça na qual estamos firmes; e gloriamo-nos na esperança da glória de Deus. E não somente isto, mas também nos gloriamos nas próprias tribulações, sabendo que a tribulação produz perseverança; e a perseverança, experiência; e a experiência, esperança. Ora, a esperança não confunde, porque o amor de Deus é derramado em nosso coração pelo Espírito Santo, que nos foi outorgado. (Romanos 5.1-5)

01 janeiro 2008

FELIZ ANO-NOVO


Feliz Ano-novo aos que cultivam a criança que os habitam, brincam de escorregador no arco-íris, cortam a lua em fatia de queijo e passeiam de roda-gigante no sol, porque sabem que a vida é breve e os apegos fastidiosos.
Feliz Ano-novo aos desempalhadores de pássaros, pois crêem no milagre da ressurreição e desdenham os sinais de morte, convencidos de que o amor supera a dor e a vida extrapola o conceito.
Feliz Ano-novo aos que fazem da solidão abrigo, fonte de exercício de vôo, conhecem o valor de cada palavra e a importância do recuo para agilizar o salto, convencidos de que é preciso aprender a fechar os olhos para ver melhor.
Feliz Ano-novo a quem cultiva paradoxos e já não guarda nenhuma certeza, apenas fé, e jamais eleva a voz para impor a sua razão, nem considera o senhor de todas as verdades, traz na alma as lições dos sofrimentos e contempla o semelhante como mistério e com paixão.
Feliz Ano-novo ao homem que, todo fim de tarde, acende as luzes da cidade, cuidando para não apagar as sombras e nem permitir que os ruídos do dia invadam a noite, provocando a desatenção das corujas.
Feliz Ano-novo aos colecionadores de memórias, que não deixam o tempo apagar-se, reinventam o passado disfarçado de futuro, recolhem em fotos e pinturas a paisagem que já não existe, reativam a lembrança dos velhos, e não admitem que a nostalgia camufle o sangue que adubou esperanças.
Feliz Ano-novo a quem sonega a palavra carregada de mágoa, cala ofensas e não se compraz da desgraça alheia, esvazia o coração de todo orgulho, jamais imprime arrogância à voz e se curva solitário a quem padece dessas pequenas desavenças humanas que inflam como grandes problemas.
Feliz Ano-novo aos que alumiam de indagações os passos da vida afora, e conservam as suas respostas no jardim onde plantam utopias, nunca desdenham o saber do pobre, o rumo do vento e as manhãs de domingo, confiantes de que a existência é o pingo de chuva que, ofertado entre trovões e relâmpagos, logo se esvai aquecido pelo sol.
Feliz Ano-novo a quem aplaude, de cima das mangueiras, os profetas que entram na cidade disfarçados de mendigos e proferem sentenças contrárias à lógica da guerra, anulando todos os argumentos do desamor e desvelando o rosto cínico de quem faz do poder um pódio de seu irrefreável narcisismo.
Feliz Ano-novo às borboletas que colorem os céus de nossos sonhos, a às tartarugas que vencem, desapressadas, a corrida do tempo, e aos peixes que jamais tiveram a curiosidade de conhecer a superfície das águas, e às mulas que, no fundo das minas, arrastam cegas o que enche de cobiça os olhos humanos.
Feliz Ano-novo a quem jamais renegou a sua família e não faz de sangue a tinta que registra sentimentos contabilizados. Antes, transubstancia em amor os vínculos de parentesco, em pão e vinho a comida à mesa, em festa o afeto indelével que tece, em fio invisível, a cumplicidade da tribo.
Feliz Ano-novo às mãos da culinária cotidiana, o cheiro do café aromatizando a aurora, a pele do leite despida em nata, o feijão catado como contas de um rosário, o arroz refogado na ternura e a calda açucarada da sobremesa farta em suspiros.
Feliz Ano-novo aos que ousam mergulhar na fonte que trazem dentro de si e deixam-se tragar pelo Inefável, transmutados no ser que de fato são.


(TEXTO ESCRITO POR FREI BETO – JORNAL “ESTADO DE MINAS”, 1° DE JANEIRO DE 2004)